Você está em - Palavra do Pároco

1)       “Do mesmo modo como Moisés levantou a serpente no deserto, é necessário que o Filho do Homem seja levantado...” Trata-se de uma referencia evidente ao fato de sua crucifixão, como sendo levantado da terra.

2)      Assim como todos aqueles que olhavam para a serpente levantada no deserto, eram salvos do castigo de haverem pecado e continuam vivos apesar de terem sido mordidos por serpentes venenosas, assim também, todos aqueles que olharem para o Cristo crucificado e nele crerem, apesar de seus pecados, isto é, de haverem sido envenenados pelo pecado do mundo, terão a vida eterna.

3)      Porque isto é assim? Simplesmente: “porque Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho Unigênito, para que não morra todo o que nele crer, mas tenha a vida eterna”. Temos nestas palavras uma declaração formal de Deus pela humanidade inteira, doando-se a si mesmo, como Amor e Vida eterna, na entrega de seu Filho, Jesus, com todas as conseqüências. Pois a vontade de Deus é de dar a todos a vida eterna, isto é, a si mesmo. Pois “Deus não enviou seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por Ele”. Esta é a vontade de Deus e não cabe outra interpretação. A partir da cruz de Cristo, conhecemos para sempre a vontade de Deus que é sempre de salvação.

4)      Para chegarmos lá, depende de nós, não de Deus. Deus fez e faz tudo o que pode: amar até o extremo, até o fim. A nós corresponde, apenas, uma resposta de fé que acontece mediante uma vida de amor. Porque, quem nele crê, quem crê no amor de Deus manifestado na cruz de Cristo, “age conforme a verdade e aproxima-se da luz, para que se manifeste que suas ações são realizadas em Deus”, no amor de Deus ou, simplesmente, no amor.

5)      “Quem pratica o mal odeia a luz, e não se aproxima da luz” e o que julga os homens é que a “a luz (Jesus) veio ao mundo, mas os homens preferiram as trevas à luz, porque suas ações eram más”.

6)      Luz ou trevas, isto é, obras boas ou obras más... Aquilo que nos constitui como seres humanos e que nos faz acontecer e crescer e realizar nossas vidas como tais, é a liberdade. Liberdade, para que? Para o amor, que acontece de fato nas boas obras da solidariedade da vida realizada e acontecida no conjunto da grande comunidade humana que, num mundo de luz, faz acontecer a Vida, a alegria da Vida, a abundância da Vida, no fim, para a Vida eterna.

Concluindo: A cruz de Cristo, como vida de Deus dada em Jesus Cristo, situa-nos a todos no centro da revelação do que é o mistério da existência humana: o amor salvador de Deus, manifestado em Jesus, que nos ilumina para a ressurreição e a Vida, sempre fazendo acontecer em nós o próprio amor que se identifica com o próprio Deus.

 

Pe. Agustin sj

 

+ Palavra do Pároco

Ver mais